Clip Click

Love on the tightrope

 

The audience applauds Balbúrdia at Sesc Pinheiros – São Paulo /Asa Campos

 

Mônica Rodrigues da Costa*, especially for Panis & Circus

Balbúrdia, skillfully directed by the actress and clown Lu Lopes, discusses the relationship of a beautiful couple which creates narratives to show its own idea of a male and female roles, presented by the circus artists Maíra Campos and Daniel Pedro, aka Nié. Maíra performs on the tightrope and does aerial rope dances in different acts. Nié is an acrobat, a juggler and a stage object constructor.

Etymologically, Balbúrdia has an embedded pejorative meaning, a sense of a confusing and messy situation, intrinsic to Circus and to Comedy. Today, it means disorganization, confusion, mess.

 

Maíra Campos on the aerial silks/ Asa Campos

 

The title´s choice for a wordless circus-theater show could not have been more appropriate because it conducts the narrative: the story of a couple who experiences six or seven situations of great tension and confrontation.

 

Maíra coming upside down to greet Nié/ Alessandra Fratus

 

The show reflects the male and female reactions to such events. The woman, more ironic, performs all sorts of antics like a monkey, making pranks and deconstructing everything the man does.

On the other hand, the man builds up a mosaic of a tenuous and threatening balance, as it can collapse any moment, just like love.

 

Drilling the wooden wheels/ Asa Campos

 

He also makes objects with motors, saws, sparks. His masculine gear: a bridge between the space and the construction to reach the hammock that lies under the tightrope  in the center of the stage. The materials he uses: drills and wooden wheels – all anchored in surreal humor, nonsense.

Pause to change the scene mood, a great relief to the spectator, who gets ready for the next number of Balbúrdia, constructed with dramaturgical leaness, as opposed to the accumulation and sometimes to the stacking of materials on the open stage: wooden planks and household instruments such as a fan and circus devices invented to display balance and acrobatic expertise.

 

The monkey-woman´s act/ Asa Campos

 

Such expertise is shown in the beginning of the show, when the woman lies on the hammock and the man climbs the vertical rope in the center of the stage, just above the hammock and the tightrope. He stays up in the air. A female hand escapes from the hammock (which becomes a circus prop) and her whole body contorts itself until she reaches the tightrope.

The blend of the hammock and the circus number shows the art hybridism of Balbúrdia, always built trying to transform circus numbers into dramatic narratives. This reveals the confusion, because to blend the two arts into a single show still requires lots of tricks, another resource of the hybrid art. The unstable gear put together in front of the public serves to exemplify this.

 

The couple on motocycle / Asa Campos

 

Soundtrack of the everyday life

In Balbúrdia, the audience hears a jazzy soundtrack which includes My Naughty Sweetie Gives” with Sidney Bechet, but later the sound production takes us to another “listening point” to use the expression of USP Communications professor Arlindo Machado.

The show works poetically on what is considered the soundtrack of our daily life with a versatile sonority, which mixes the erudite and the popular, typical of the circus ring. The strength of the show is to interpret the songs as they represent the loving relationship within marriage whether in conflicted, peaceful or sharing moments.

Daniel Pedro e Maíra Campos balance on the wheels/ Alessandra Fratus


Maíra and Nié, married in real life, also give their gesture, lyrical or choreographic version to song themes that evoke the permanence of love, such as “We Used to Call it Love” by the contemporary Cuban-Cape Verdean Mayra Andrade, or to song themes that question the language of the show itself, such as “Tango Parisien” by the Gypsy Swing Allstars group, and the very melodic “Trololo Song” by the famous Russian Mr. Trololo, or simply the fanfare music “Fanfare – Galactic” by the revisited Circus band.

These songs all belonging to the American genres of popular urban music, are pierced by European lyricism, as in the number with Vivaldi’s “Concerto Number 10 in B Minor.” 

A scene that sounds like blues

The acrobats in Balbúrdia / Alessandra Fratus

 

There is a scene with Maira in the tightrope using a North American country blues song as background music while Nié sits on the hammock and peels an orange. The pair, as usual, makes synchronized mirror gestures.

The actors alternate presenting their numbers. Maira climbs on the vertical rope and moves like a dancer in the air. When she reaches the tightwire, her own territory, she follows the thread and retraces her own path at every step, sometimes lyrical, sometimes tragic, sometimes comical, like in real life – an allusion to the Brazilian writer, Nelson Rodrigues´ irony, an illogical, surreal theme explored in Balbúrdia.

The couple´s acrobatic performance/ Alessandra Fratus


Each mixed reference in the show reveals its European origin with very distinct Brazilian traits, which are sometimes subtly suggested or very obvious in the scenes.

The rational construction of everything that takes place around the European style tightwire is the space of the actress´ main number, who had her training in the Brazilian circus as well as in the Belgian school. The actress balances between the diaphanous walk in the air and the domestic territory/horizon.

A Balbúrdia´s act at Sesc Pinheiros – São Paulo / Alessandra Fratus


The man surrounds the woman with movable spools and he holds his balance on the parallel boards and in the springs of its articulations. Many problematic situations proposed by the numbers, expressed by the language of the new circus, seem to be solved by his somersaults.

The male figure alternates between physical challenges and moments of lyricism. The scene in which a diagonal line is drawn under a romantic soundtrack, when the man lies down in the hammock and the woman jumps from the tightwire to the vertical rope is a good example.

A paradox hangs in the air in this speechless circus theater-like show: the metaphor of the mess, which runs through all the scenes and the way the narrative of the themes is constructed according to the devices that both actors invent to articulate their dance, their confrontations, their understanding in the midst of a stage set made of stunning and unusual devices, such as the multiple silks.

 


Maira, the aerial acrobatics ballerina, not only uses the vertical rope as if  made of French fabric, but it seems that she scales the keys of a piano when a woman’s opera voice is used as soundtrack loudly soaring along the cold winter wind blowing in the audience of Sesc Pinheiros, where the show took place.

The suspended fabric climbing also competently performed by Nié outlines abstract and geometric plastic forms.

He hybrid blending, therefore dissonant, of European and Brazilian features arranged in the instability of the numbers in the construction of Balbúrdia targets the central question of the 4th CIRCOS edition, the 2017 Sesc International Circus Festival, in São Paulo: the set-up reveals its construction modus operandi, a procedure known since the foundation of Modern Art, as described by the Russian art critic Chiklovski  in 1915.

 


This is the local and global role of the contemporary circus, full of syncretism and eclecticism, capable of putting together resources of rational engineering, very clean, first world, with ways to recombine ideas of the universal circus of all times. Shows like Balbúrdia serve as a good example and promise that this tradition will remain for a long time alternating between palaces, fairs and stages.

* Mônica Rodrigues da Costa is a poet, a teacher and a theater critic of the Folha de S. Paulo “Guia” supplement.

 

The stage gear/ Asa Campos

 

BALBÚRDIA credits: Artists: Daniel Pedro e Maíra Campos. Production: Marina Ferreira. Direction: Lu Lopes. Sesc Pinheiros – Events Square -June 9 – Friday, 8pm – June 10 – Saturday, 5pm – June 11 – Sunday, 5pm

 

Vizinhos is the first show of the Artinerant´s Company

Balbúrdia is the second show of the Artinerant’s Company, created in 2013 by Daniel Pedro and Maíra Campos, who have been working together since 2003 at Circo Zanni. The first show, Vizinhos which debuted at the 3rd Circos – Sesc International Circus Festival in 2015 – presents the daily life of a man and a woman in which household objects are transformed and take on new functions, flirting with surrealism. This is the case of a sofa that becomes a trampoline, a book that literally catches fire in the reader’s hands and a clothesline that turns into a tightwire to the day-to-day balancing exercise.

Vizinhos participates in the 1st Sesc Circo Festival- MS and will be presented on June 20 at 8:00 p.m. at Sesc Horto, Campo Grande (MS) and on June 22 in Corumbá (MT) at 6:00 p.m. at the South American Moinho Cultural.

 

Daniel Pedro e Maíra Campos in Vizinhos / Asa Campos

“Vizinhos” apresenta-se no 1º Festival Sesc MS de Circo

“Balbúrdia” é o segundo espetáculo da Cia. Artinerant´s, criada em 2013 por Daniel Pedro e Maíra Campos, que trabalham juntos desde 2003, no Circo Zanni. O primeiro é “Vizinhos” que estreou no 3º Circos – Festival Internacional Sesc de Circo em 2015 – e apresenta o cotidiano de um homem e uma mulher em que objetos domésticos se transformam e assumem novas funções, flertando com o surrealismo. É o caso de um sofá que vira trampolim, um livro que literalmente pega fogo nas mãos do leitor e um varal que vira fio para o exercício do equilíbrio do dia a dia em corda bamba. Os dois espetáculos tem a direção da atriz e palhaça Lu Lopes e fazem parte de uma trilogia. 

“Vizinhos” participou do 1º Sesc Festival MS de Circo e apresentou-se em 20/6, às 20h00, no Sesc Horto, em Campo Grande (MS) e, em 22/6, em Corumba (MS), às 18h00, no Moinho Cultural Sul-Americano. 

“Vizinhos apresenta belas cenas e surreais”, diz o artista Cafi Otta, em crítica sobre o espetáculo.Confira a programação completa do festival de circo de Mato Grosso do Sul no site sesc.ms  

 

Balbúrdia: amor na corda bamba

Mônica Rodrigues da Costa, especial para o site Panis & Circus*

Balbúrdia, dirigido com excelência pela atriz e palhaça Lu Lopes, discute através do circo a relação entre um belo casal, que reinventa narrativas para comentar sua própria combinação de homem e mulher. São os atores e circenses Maíra Campos e Daniel Pedro, ou Nié. Maíra é aramista e faz números aéreos e de dança nas diferentes cenas. Nié é acróbata, equilibrista e construtor de objetos.

Etimologicamente, balbúrdia inclui em sua acepção o sentido pejorativo de confusão e trapalhada que somente o circo e a comédia possuem. Significa hoje desorganização, confusão, bagunça.

A escolha do título de uma peça de circo-teatro sem palavras não poderia ser mais apropriado porque ele conduz a narrativa: a história de um casal que experimenta seis ou sete situações de tensão e enfrentamento.

A montagem interpreta as reações masculinas e femininas diante de tais acontecimentos.

A mulher, mais irônica, apronta como uma macaca, faz pirraça e desconstrói tudo o que o homem faz. Do outro lado, o homem monta um mosaico de equilíbrio tênue e ameaçador, pois pode desmoronar, assim como o amor, a qualquer momento.

Ele também fabrica objetos com motores, serras, faíscas e zoadas. Seus objetos masculinos: uma ponte entre o espaço e a construção para chegar até a rede que fica debaixo do fio tenso do arame no centro do palco. O material que usa: furadeiras e rodas de madeira – está ancorado no humor surreal, nonsense.

Pausa para troca de cena e alívio do espectador, que se prepara para o quadro seguinte de “Balbúrdia”, construída com limpeza dramatúrgica, que se contrapõe ao acúmulo e, por vezes, ao empilhamento de utensílios no picadeiro (chão da praça) a céu aberto: placas e tábuas de madeira, instrumentos domésticos como um ventilador e aparelhos circenses inventados para exibir equilíbrio e agilidade acrobática.

Como no início da peça, em que alguém está na rede e o homem (Nié) sobe na corda no centro da cena, sobreposta à rede e ao arame. Ele permanece no alto. Uma mão feminina (de Maíra) escapole da rede (que vira aparelho de circo) e seu corpo todo se mostra em contorcionismos até alcançar o arame.

A reunião da rede com o número circense mostra o hibridismo na arte de “Balbúrdia”, que se constrói sempre com esse procedimento, a começar por tentar transformar números circenses em narrativa dramática. Essa é a confusão, pois, para unir as duas artes numa sintaxe única ainda é preciso muita gambiarra, outro recurso da arte híbrida. Exemplos deles são os aparelhos de instabilidade montados à vista do público.

Trilha sonora do cotidiano

A sensação ao assistir a “Balbúrdia” é a de que o espectador ouvirá uma trilha jazzística (que inclui “My Naughty Sweetie Gives”, com Sidney Bechet), mas depois a produção sonora do espetáculo conduz-nos a outro ponto de escuta, para usar a expressão do professor de comunicação da USP Arlindo Machado.

A peça opera poeticamente sobre o que é considerada a trilha sonora do nosso cotidiano com a sonoridade sincrética, que mistura o erudito e o popular, típica do picadeiro. O forte do espetáculo é interpretar as canções enquanto representa o relacionamento amoroso dentro do casamento, seja em momentos de conflito ou de tranquilidade e compartilhamento.

Assim, Maíra e Nié, casados na vida real também, dão sua versão gestual, lírica ou coreográfica a temas de canções que refletem sobre a permanência amorosa, como “We Used to Call it Love”, da contemporânea cabo-verdiana cubana Mayra Andrade, ou que questionam a linguagem do próprio espetáculo, como “Tango Parisien”, do grupo Gypsy Swing Allstars, e a sonorista “Trololo Song”, do famoso Mr. Trololo russo, ou simplesmente música de fanfarra (“Fanfare – Galactic”), da banda revisitada de circo.

Essas composições pertencem aos gêneros americanos da música urbana popular, transpassados pela lírica europeia, como atesta a cena com o “Concerto nº 10 em B Minor”, de Vivaldi.

Cena que soa como blue

Há uma cena no arame com Maíra em que soa um blues do country norte-americano. Nié vai para a rede e descasca uma laranja. A dupla, como sempre, faz gestos espelhados.

Os atores se alternam apresentando seus números. Maíra sobre na corda indiana e se movimenta como uma dançarina no ar. Ao chegar ao arame, território dela, ela segue no fio e retraça o próprio caminho a cada passo, ora lírico, ora trágico, ora cômico, bem parecido com a vida como ela é – uma alusão à ironia rodrigueana, uma coisa ilógica, surreal, portanto, explorada em “Balbúrdia”.

Cada referência combinada na arte desse espetáculo revela sua origem europeia com marcas brasileiras indissolúveis, que se deixam entrever ou se acumulam umas sobre as outras.

A construção racional de tudo que ocorre em torno do arame, de estilo europeu, é o espaço de exibição do número principal da atriz, que teve sua formação entre o circo brasileiro e a escola belga. A atriz se equilibra entre o diáfano da caminhada no ar e o horizonte doméstico.

O homem (Nié) rodeia a mulher com carretéis moveis e tem seu equilíbrio paralelo nas tábuas de seus aparelhos e nas molas de suas articulações. Muitas situações-problema propostas pelos números, feitos com a gramática do circo novo, são solucionadas com saltos mortais dele.

A figura masculina em cena se reveza entre desafios físicos e momentos de lirismo. Por exemplo, na cena em que se desenha uma linha diagonal sob um fundo sonoro romântico, quando o homem se deita na rede e a mulher salta do arame para a corda.

Há um paradoxo que fica no ar nesse teatro sem palavras: a metáfora da balbúrdia, que se estende por todas as cenas e a narrativa dos assuntos tratados é construída em conformidade com os aparelhos que ambos os atores inventam para articular sua dança, seus confrontos, encontros no meio de uma cenografia feita de utensílios díspares e aparelhos inusitados, como as cordas múltiplas.

Maíra usa esse aparelho como se fosse o tecido francês, mas não só. Algumas vezes parece que a dançarina, de ponta-cabeça, escala as teclas de um piano enquanto a voz de ópera de uma mulher soa ao vento frio de inverno na plateia do Sesc Pinheiros, onde ocorreu o espetáculo.

Outras vezes o jogo de cordas, também realizado por Nié com competência, esboça formas plásticas abstratas e geométricas.

A mistura híbrida, portanto dissonante, de características europeias e brasileiras dispostas na instabilidade dos números circenses na construção de “Balbúrdias” responde à questão central da 4ª edição de Circos – Festival Internacional Sesc de Circo 2017, em São Paulo: a montagem revela seus modos de construção e conhecemos esse procedimento desde a fundação da arte moderna, conforme mostrava em 1915 o crítico russo Chiklovski. 

É esse aí mesmo o espaço local-global do circo contemporâneo, sincrético e com muito molejo, capaz de unir recursos de engenharia racional, clean, do primeiro mundo, com jeitinhos de recombinar as ideias com a cola quente do circo universal de todos os tempos que promete com espetáculos como “Balbúrdia” que vai continuar a existir, alternando-se entre palácios, feiras e palcos.

* Mônica Rodrigues da Costa é poeta, jornalista e crítica de teatro do Guia e Revista da Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

*