Pé na Estrada

Circo Zanni: atrações de tirar o chapéu

 

Elenco do Zanni (espetáculo em 2012), na linha de frente, da esq.para dir.: Dante, Toti (filhos de Domingos), Tomás (filho de Fernando Sampaio) e Leo (filho mais velho de Domingos)

 

Números aéreos, equilíbrio, malabarismo e música armam a lona

Até 18/11, tem circo armado na Barra Funda, no Memorial da América Latina, região central da capital paulista. A temporada em 2012 do Circo Zanni faz parte da programação gratuita da 6ª Semana Ticket de Cultura & Esporte. 

Todo mundo diz que a direção artística de um espetáculo tem qualidade quando é invisível. Nesta temporada do Zanni, ela é assinada por Domingos Montagner, que compõe dupla com o palhaço Padoca de Fernando Sampaio, mas não entrou em cena. É que o período da temporada coincidiu com as gravações da novela “Salve Jorge” (Rede Globo), de Glória Peres, em que o ator interpreta o personagem turco Zyah.

 

Domingos Montagner, diretor artístico do Circo Zanni, e Regina Bonani, do site Panis & Circus

 

Sobre o novo espetáculo, Domingos afirmou que, em vez de oferecer um pedaço de bolo, o Zanni oferece atrações circenses: “Nosso circo vai além do espetáculo, é uma forma de viver a arte. Cada vez mais a arte está incorporada a nossas vidas. É um prolongamento de nossa casa e é nela que gostamos de receber o público. Esse sentimento sempre permeou nossos espetáculos, está em primeiro plano e foi a inspiração para sua concepção”.

O estar à vontade de que fala o diretor foi compartilhado pelos nove artistas sócios do Zanni e seus três convidados. Eles apresentam números clássicos do picadeiro, com música dissonante e interessante, clássica do circo e contemporânea, que mescla instrumentos e sons de orquestra, batucada e malabarismo.

 

 

Soa como uma colagem de ritmos, de jazz, latinos, de rock, de música erudita, circenses, que são usados no tempo certo e mostram variedade estilística, são agradáveis e um pouco “pauleira”, combinam com os signos de alegria e diversão do circo. Instrumentos artesanais, como um piano de garrafas, baixo, acordeão, violão, bateria, tambores, percussão, piano, saxofone, tuba, uma festa.

 

Piano criado com garrafas também faz parte do espetáculo em 2012

 

O diretor musical do Zanni, Marcelo Lujan, disse que a inspiração para fazer o número dos palhaços musicais nasceu a partir do Circo Nerino. “Foi baseado no número ‘Os Sete Músicos Infernais’, apresentado no Nerino, um circo tradicional no Brasil.”

 

Os músicos infernais (Marcelo Lujan, Fernando Sampaio, Pablo Nordio e Fernando Paz)

 

O livro “Circo Nerino”, de Verônica Tamaoki e Roger Avanzi, relata que, no Nerino, em ‘‘Os Sete Músicos Infernais’’, os músicos entravam em cena em fila indiana, com o tema da ópera “Aída”, de Verdi (página 35). A montagem do atual número no Zanni teve a colaboração do palhaço Biribinha, patrimônio cultural de Alagoas.

A música se destaca nos primeiros números do novo espetáculo do Circo Zanni e alcança um dos ápices no jogo entre malabares, corneta e tambor com os palhaços musicistas Pablo Nordio e Marcelo Lujan, que não têm a cara dos comediantes clássicos, mas se atrapalham como eles, com criativos cruzamentos das claves, velocípede sonoro e efeitos entre a música executada ao vivo e roncos de motocicleta em playback.

 

Ensaio no picadeiro do Zanni (2012)

 

O palhaço Padoca se mete no meio dos músicos e teima em cantar, até que consegue: rimas horríveis e engraçadas divertem porque não fazem sentido. O palhaço musicista convidado, Fernando Paz, compõe o quarteto cômico e melódico. Todos os artistas que apresentam números fazem também música no círculo.

O novo espetáculo do Circo Zanni mistura a temática renovada e a recuperação dos números tradicionais com show musical. Há momentos do espetáculo em que parece mesmo a sala de visitas da casa da gente.

 

Circo Zanni no Memorial da América Latina, na cidade de São Paulo

 

Há o tapete, a poltrona, o abajur. Mas a sala visitas é vista através das lentes da arte. Um homem lê um livro em uma poltrona que vira uma cama elástica em que ele, o artista Daniel Pedro, apresenta gestos inesperados com o corpo retorcido em saltos em diagonal e outros vetores.

 

Daniel Pedro, Nié, e o sofá com minicama elástica

 

Vestida de bailarina, a artista Lu Menin canta em um canto do picadeiro um amor não correspondido; o som sai com chiados como se fosse um rádio antigo. Depois, essa acrobata e trapezista  entra no palco e gira com movimentos acrobáticos em torno de uma cadeira até virar literalmente de ponta-cabeça. Lembra uma contorcionista do circo antigo. Um lenço branco, talvez o que serviu para enxugar as lágrimas, gruda em seu sapato e, ao tentar tirá-lo, ela mistura precisão técnica com graça. Aplausos e risos.         

O espetáculo começou do lado de fora no dia do primeiro ensaio aberto, em 8/10. O público eram estudantes convidados. O palhaço Padoca recebeu a meninada, de instituições como a Ong PROF (de ‘professor’, de Paraisópolis, bairro da capital).

O palhaço de Fernando Sampaio expressa um ponto forte do circo frequentado por milhares de pessoas: dizem que, se esses personagens forem cômicos autênticos, o circo pega fogo. Com a gestualidade plural do rosto, aliada aos passos calculados dos palhaços, Fernando encanta a plateia aos poucos. Primeiro quando aparece para saudar as crianças, de terno vermelho, chumaços de cabelo embaraçados e meio azuis, calças curtas e desengonçadas.

 

Fernando Sampaio na atração "Números Musicais", no espetáculo de 2012

 

Fernando Sampaio e seu filho

 

Desconfiadas, todas as crianças nesse dia se voltaram para ele na lona menor, que é a antessala do picadeiro, quando o palhaço apareceu.

Durante o espetáculo, os números no arame e nos aparelhos aéreos tomaram a cena. O público infantil manteve os olhos atentos e estava interativo.

Maíra Campos apresentou, com desenvoltura, caminhadas no arame como se dançasse em terra firme. Misturou passos de tango, samba, “espacate” e giros de corpo no fio tenso, que ela dominou com ritmo gracioso e uma saia de bailarina nas costas. Enquanto levava a saia num ombro, impunha passos de boneca de caixinha de música à bailarina que migrou para o circo.

 

Maíra Campos no espetáculo do Circo Zanni em 2012

 

Três trapezistas (Erica Stoppel, Luciana Menin e Cassia Theobaldo, artista convidada) fizeram as acrobacias que sempre compõem os números que entram no picadeiro. A mágica de ver um número executado com perfeição faz do circo um charme (esta última palavra se origina do vocábulo que significa poesia em latim).

 

 

As crianças riam do palhaço Padoca e sofreram com ele ao acompanhar o equilíbrio dos pratos executado por Erica Stoppel. Toda vez que um prato estava para cair era um deus nos acuda de olhos atentos e mãos ansiosas do palhaço, caretas de surpresa, alívio e espanto. Quando o número acabou, aplausos.

 

Erica Stoppel no número dos pratos (Zanni, 2012))

 

O Zanni cumpre o destino e missão do circo, mas ligeiramente modificado por: “Uma rosa é uma rosa é uma rosa”, como escreveu a poeta de vanguarda Gertrude Stein (1874-1946). A roda do circo gira nos volteios aéreos das trapezistas, todas de tirar o chapéu.

 

 

Bel Mucci (foto acima), rápida e exuberante, voa a toda corda, no tecido vermelho que se contrapõe ao figurino preto, entre a ginasta e a bailarina do rock. Estava sem “lonja” e nas alturas. Fiquei com medo, mas o número foi fascinante.

 

RETRATOS DOS ARTISTAS DO CIRCO ZANNI

Confira o que cada artista comentou sobre o espetáculo do Circo Zanni em 2012. O picadeiro está na estrada desde o final de 2002 e o início de 2003.

 

Domingos Montagner

– concepção do espetáculo e direção artística

 

Domingos Montagner e Fernando Sampaio

 

Domingos Montagner declarou: “Criamos [os nove artistas associados] um novo espetáculo para a temporada no Memorial da América Latina com oito números inéditos. A maturidade e o repertório dos artistas sempre contribuem para conseguir frescor”.

Montagner explicou a razão de ele não atuar no espetáculo: “Não deu nessa temporada [2012] porque eu só poderia entrar em cena nas duas primeiras semanas e não queria troca de personagem e de número. Por isso, fiquei na direção e concepção artística do espetáculo e optei por um elenco fixo”.

O ator viverá o turco Zyah, que mora numa caverna na Capadócia e trabalha como guia turístico em Istambul, na nova novela global “Salve Jorge”, da autora Glória Perez.

 

Marcelo Lujan

– acrobacias, malabarismo, números cômicos, música e direção musical

 

Marcelo dá uma “palinha” explicando a construção da música no espetáculo: “A gente fez uma releitura do número ‘Os Sete Músicos Infernais’, do Circo Nerino, e trabalhou com o palhaço Biribinha, de Alagoas, no processo criativo. Ele cedeu os direitos autorais da letra e música do ‘Pinico ali, Pinico lá’ e as gags de ‘Os Sete Músicos Infernais’ foram adaptadas para ela”. Marcelo contou que se trata também de sátira à música famosa italiana “Funiculi – Funiculà”, composta em 1880 pelo jornalista Giuseppe “Peppino” Turco e musicada por Luigi Denza. Entre seus intérpretes famosos está Luciano Pavarotti.

 

Bel Mucci

– tecido e trapézio

Bel Mucci

 

Disse a artista de aéreos: “Faço um número de tecido com introdução no mastro chinês. O meu personagem é uma roqueira que faz tecido ao som de uma música dos Rolling Stones, escolhida pelo diretor Domingos Montagner, e a banda toca. O figurino foi desenhado pela Ana Mota, que faz a assistência de direção ao lado do Domingos”.

 

Daniel Pedro

– (Nié) – acrobata

Daniel Pedro

 

O acrobata de apelido “Nié”, que já pegou, relata como o grupo Zanni concebeu a cena circense da poltrona: “A ideia de fazer o número surgiu em função da proposta da temporada do Zanni em 2012 enviada à Petrobras. O projeto incluía a montagem de três novos números: palhaços, trapézio e acrobacia. O número de acrobacia ficou comigo já que sou o acrobata da trupe”.

Daniel Pedro completou: “Desenvolvemos a ideia (eu, Marcelo e Pablo) de colocar um sofá no meio do picadeiro para fazer acrobacias. Depois, decidi colocar uma minicama elástica dentro do sofá para sair de salto mortal. E assim o número é feito”.

 

Erica Stoppel

– trapezista e equilibrista

No novo espetáculo Erica integra o trapézio triplo e apresenta um novo número, de equilíbrio com pratos. Para a trapezista, “circo é risco”. Ela diz que faz seu número a partir do movimento que ele e o aparelho sugerem. “Faço a técnica de equilíbrio com pratos, que é nova para mim. Não sei o que dizer sobre mudanças estéticas. Nós artistas fazemos, e os teóricos pensam e falam sobre o que fazemos. Depois da estreia, talvez, eu tenha alguma impressão sobre o que apresento.” Erica faz corda indiana, lira, e trapézio. “Tenho um solo de lira que é uma gota. Agora faço trapézio e balanço. Toco acordeão e teclado na banda.”

Erica Stoppel

 

Link para a entrevista de Erica Stoppel neste site:

http://www.panisecircus.com.br/erica-stoppel-a-trapezista-do-circo-zanni/

 

Fernando Sampaio

– palhaço

 

“Apresentamos os números dos palhaços musicais (eu, Fernando Paz, Marcelo Lujan, Pablo Nordio), que é baseado nas entradas clássicas de picadeiro de ‘Os Sete Músicos infernais’. Nós chamamos o palhaço Biribinha, de Alagoas, para supervisionar o número.”

 

Marcelo Lujan, Fernando Sampaio, Pablo Nordio e Fernando Paz

 

Fernando Sampaio disse que gosta de trabalhar entre amigos e entre sócios. Essa é uma característica do Zanni. Ele explicou sua arte: “No número dos palhaços musicais, eu fico com a tuba e são apresentados instrumentos musicais diferentes, como o piano de garrafa, criação de Pablo e Marcelinho [dupla também do Circo Amarillo]. Sou um palhaço que quer cantar o tempo todo e os outros não deixam”.

Fernando participa do número de pratos de Erica Stoppel, que também faz acrobacias no trapézio e é mulher de Fernando. 

 

Lu Menin

– trapezista, acrobata e equilibrista

 

Lu Menin é Alfonsina neste número de acrobacia com a cadeira

 

 

Luciana Menin disse: “Apresento dois números novos: ‘Alfonsina’, que é um solo de parada de mão, com uma cadeira, e trapézio fixo, com duas companheiras: Erica e Cassia Theobaldo. Os números são dirigidos pelo Domingos, a música é de Marcelo Lujan e o figurino, da Daniela Garcia”.

 

Maíra Campos

– aramista

 

Maíra Campos

 

Maíra explica o número que apresenta: “É a releitura do meu número de encerramento na ESAC – École Supérieure des Arts du Cirque, em Bruxelas (Bélgica), em 2010. A ideia é mostrar uma bailarina de caixinha de música – enfeite comum nas salas das casas de antigamente. Ela ganha movimentos e sobe no arame. Nessa releitura, a bailarina faz novos passos ao som de uma nova música”.

 

Pablo Nordio

– palhaço, malabarista e musicista

 

Pablo Nordio e Marcelo Lujan em "Clake"/Foto Divulgação

 

“O novo número dos palhaços musicistas tem a minha participação, a do Fernando Sampaio, a do Fernando Paz e a do Marcelo Lujan. Participo também do número “Sons de Campainha” e de “Malabares com o Marcelo” (Pablo e Lujan fundaram e integram o Circo Amarillo e são sócios fundadores do Zanni).

 

ARTISTAS CONVIDADOS

Cassia Theobaldo

– trapezista (convidada da temporada do Zanni/2012)

Cassia Theobaldo

 

Cassia declarou ao site Panis & Circus: “A minha história com o Zanni começou na plateia, como admiradora apaixonada do circo. Da plateia passei ao picadeiro. Eu vinha assistir aos espetáculos, tornei-me amiga das meninas (do Zanni) e passei a estar presente em todas as temporadas. Ou seja, treino os números aéreos de grupo para não deixar buraco, isto é, caso seja necessário substituir uma das meninas ou porque ela se machucou ou por ter assumido compromisso que coincide com os dias de apresentação. Nessa temporada de 2012, fui convidada para integrar o elenco desde a montagem do número de trapézio. É minha primeira participação no espetáculo e em apresentação de números. Estou feliz e sei que é importante profissionalmente. E mais, estou trabalhando no meio de pessoas que são meus ídolos e isso é muito bom. Aqui, no Brasil, não consigo pensar em circo sem pensar no Zanni.”

 

Fernando Paz

– musicista e palhaço (convidado da temporada de 2012)

 

“Eu vim pro Zanni convidado pelo La Mínima. O grupo é sócio do Circo Zanni e eu tenho trabalhado com ele em teatro. Fernando e Domingos me convidaram para participar do espetáculo. Gosto do que faço.” Fernando Paz integra o número dos músicos infernais e atuou na peça teatral “Mistero Buffo”, de Dario Fo, com a dupla do La Mínima, Fernando Sampaio e Domingos Montagner, em 2012.

Link:

http://www.panisecircus.com.br/domingos-montagner-traca-linha-do-tempo-no-panis-circus/

 

Nereu Afonso

– ator circense (convidado da nova temporada do Circo Zanni/ 2012)

 

Nereu Afonso comenta de que forma integra o elenco do Zanni nesta temporada: “Conheço o pessoal do Zanni há muito tempo. Agora calhou de trabalharmos juntos. Sou artista circense e músico, fui convidado pelo Zanni para tocar bateria e junto com ela faço algumas estripulias no número dos palhaços musicais”.

 

Ficha técnica

Concepção e direção artística: Domingos Montagner. Criação dos números: Elenco do Circo Zanni. Direção musical: Marcelo Lujan. Direção técnica: Pablo Nordio. Elenco: Bel Mucci, Daniel Pedro, Erica Stoppel, Fernando Sampaio, Luciana Menin, Maíra Campos, Marcelo Lujan, Pablo Nordio. Convidados: Cassia Theobaldo, Fernando Paz, Nereu Afonso. Montagem e operação de som: Marcello Stolai. Iluminação e operação de luz: Paulo Souza. Capataz: Wagner Lopes. Produção: Palco de Papel. Realização: Circo Zanni.

Serviço

O Circo Zanni está na 6ª Semana Ticket de Cultura & Esporte, que tem programação gratuita na cidade de São Paulo. A programação pode ser consultada no site:

www.semanaticketcultura.com.br.

O espetáculo do Zanni em 2012 tem a casa como temática e inclui acrobacias na sala de visitas, equilibrismo com pratos e parada de mão numa cadeira. A música ao vivo anima caminhada no arame e voos no tecido e no trapézio. Censura: Livre. 60 minutos.

No Memorial da América Latina – Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda. Dia 09/11, às 10h00 e às 15h00; em 10/11, às 17h00 e às 20h30; 11/11, às 19h30; 14/11, às 15h00 e às 19h30; 15/11, às 17h00; 17/11, às 17h00 e às 20h30; 18/11, às 17h00 e às 19h30.

(Mônica Rodrigues da Costa)

(colaboração de Cristina Benozatti e Regina Bonani)

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

2 Responses to "Circo Zanni: atrações de tirar o chapéu"

  1. irineu disse:

    Amei o site…….Maíra Campos está linda……

  2. Ângela de Castro disse:

    Para mim nenhuma novidade….
    Simplesmente fantástico!!!!
    Um espetáculo sensacional!!!!
    Simplesmente
    AMOOOOOOO!

Deixe um comentário

*