Anote

 

Marcelo Lujan e Pablo Nordio em cena

 

“Experimento Circo”

A trupe do Circo Amarillo — Marcelo Lujan e Pablo Nordio, que também integram o Circo Zanni — apresenta espetáculo que mescla linguagens de circo, teatro, música e dança. Entre os números executados, estão malabarismo com fogo, diabolô, acrobacias em tecido e trapézio duplo.

Serviço

No Sesc Itaquera. Dias: 19 e 20/07 às 11h30 (av. Fernando Espírito Santo Alves de Mattos, 1.000, Itaquera, São Paulo, SP).

Link: http://circoamarillo.wordpress.com/agenda/

 

Maíra Campos na videoinstalação "Por um Fio"

 

“Por um Fio”, de Helena Martins-Costa, agrada no MAM-SP

 A estreia da fotógrafa gaúcha Helena Martins-Costa no Projeto Parede 2012 prenuncia temporada de sucesso, porque agradou ao público presente no MAM-SP logo no primeiro dia de visitação à videoinstalação “Por um Fio”, em 14/06. A exposição fica em cartaz até 20 de dezembro.

 

Helena Martins-Costa

 

“Por um Fio” enquadra em filme uma personagem funâmbula sobre a cabeça dos espectadores. Martins-Costa exibe de forma vertiginosa uma ação no ar, instável por essência.

A artista circense Maíra Campos representa a personagem. Aramista do Circo Zanni, Maíra caminha sobre uma corda bamba, a cerca de 1,5 m do solo, e o percurso no ar é captado pela câmera num jogo entre o real e o virtual.

Para o artista plástico Marco Giannotti, que esteve na abertura da mostra, trata-se de obra “instigante”. Ele falou ao Panis & Circus: “O trabalho faz com que a gente reflita sobre o que é a nossa percepção. Não estamos acostumados a olhar para o céu, e esse trabalho de certa forma resgata esse tratamento de decifrar as nuvens”.

Giannotti é pesquisador na USP, no Departamento de Artes Plásticas, e professor de pintura, estética, filosofia da arte e poéticas visuais. Sabe do que está fala. Estudou história da arte no Metropolitan Museum of Art (EUA) e na escola do Louvre, na França.

A designer de joias Marina Sheetikoff disse que gostou da videoinstalação. “A ideia de sair da parede para o teto já começou bem. A história de o equilibrista ficar em cima… eu acho que Helena Martins-Costa conseguiu fazer isso de forma maravilhosa, está linda!”, falou ao site.

 

 

Martins-Costa também comentou o próprio fazer. “Eu trabalho com fotos, mas começava a pensar em vídeo, estava desamparada pela imagem parada e querendo trazer a imagem com movimento”, declarou.

A fotógrafa conta que o MAM-SP a contatou para integrar o Projeto Parede: “Eu disse que não era bem parede que eu queria, seria corredor, uma travessia”.

Para a artista, a arte “oferece experiência”. “A gente convida a pessoa para ver alguma arte e ela tem que estar aberta para alguma experiência estética, intelectual ou espiritual”, afirma.

Helena Martins-Costa disse que, ao conhecer o espaço expositivo no MAM-SP, teve a ideia do formato da obra que criaria. “A imagem me veio, todos me diziam que não dava, mas essa imagem precisava ser realizada, eu já estava trabalhando para ela, tinha outros projetos, mas eu queria que, quando a pessoa entrasse no corredor, prestasse atenção ao caminhar do funâmbulo, que é um outro lado, tem contato com a arte que é uma travessia.”

Como a artista Helena transita entre a fotografia e o vídeo? Martins-Costa responde: “Trabalho com fotografia e durante todo esse tempo percebi que, nos álbuns de família, as pessoas, quando vão tirar foto, ficam um pouco petrificadas, quase uma escultura para eternizar aquele momento. Dediquei tanto tempo para a fotografia que senti necessidade de trabalhar com o movimento para fazer um contraponto”.

“O título evoca a ideia de limite, de situação extrema, onde em geral algo está à beira do abismo, sustentado por frágil equilíbrio. ‘Por um Fio’ sugere um enorme risco, uma intercessão feita no último momento e a cada instante. Nesse jogo, como alegoria de sua própria condição, o que está em risco no corredor talvez seja a própria imagem.”

 

A aramista Maíra Campos em "Por um Fio"

 

Obras de artes visuais de Helena Martins-Costa

Mestre pela ECA-USP, Helena Martins-Costa graduou-se em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UFRGS, em Porto Alegre.

Principais exposições individuais: “Estatuária”, Carpe Diem Arte e Pesquisa (Lisboa, 2010); “Sem Título”, CEUMA–USP (SP); “A Espera”, “Realidades Imprecisas” (SESC, SP, 2009); “Projeto Imagem Experimental”, MAM-Higienópolis (SP, 2000); “A Espera” – Paço das Artes (SP, 2004).

Principais coletivas: “Passante no Mundo”, Quase Galeria, (Porto, 2011); “Três Viagens pelos Eus do Eu”, Espaço T/Quase Galeria (Porto, 2010); “Coleção Gilberto Chateaubriand”, MAM-RJ (2007); “DESIDENTIDAD: Acervo do MAM São Paulo”, Ivam (Valência, ES, 2006); “Olho Vivo – A Arte da Fotografia/50 Anos da Fotografia Brasileira – Acervo MAM SP”, Santander Cultural (Porto Alegre, 2004); “Visões e Alumbramentos – Coleção Joaquim Paiva” (Oca, SP).

 

Corredor do projeto leva a mostra de Goeldi

A Grande Sala e a Sala Paulo Figueiredo trazem a retrospectiva “Oswaldo Goeldi: Sombria Luz”. São perto de 200 obras, selecionadas pelo curador Paulo Venâncio Filho. Lani Goeldi, sobrinha-neta do gravurista Goeldi (1895-1961), replicou o ateliê do também desenhista e ilustrador e expõe ferramentas e objetos pessoais de Goeldi.

Parede Sem Título recebeu Yiftah Peled, de Israel

O Projeto Parede do MAM-SP recebe obras de dois artistas anualmente. O trabalho de Helena Martins Costa integra a segunda edição de 2012, segundo release da assessoria do MAM.

A primeira exibição do Projeto Parede Sem Título ocorreu no primeiro semestre de 2011 e convidou o artista Yiftah Peled (Afula, Israel, 1964).

Ele realizou uma instalação no corredor do MAM-SP, que dá acesso ao saguão de entrada e à Grande Sala. Segundo o site desse museu, a obra de Peled unia arquitetura e imagens de pele humana, lixas vermelhas coladas na parede e tinha a participação de funcionários do MAM-SP.

“O espaço foi transformado em um orifício onde o visitante entrava, tornando-se um performer ao passar pelo corredor.”

Outro projeto trouxe obra de Flávia Ribeiro e ocorreu entre 12/01 e 27/05/2012.

Serviço

Projeto Parede “Por um Fio” – Helena Martins-Costa

Museu de Arte Moderna de São Paulo – corredor de acesso à Grande Sala – no Parque do Ibirapuera – Endereço: av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 3, tel. (11) 5085-1300. De terça a domingo, das 10h00 às 17h30. Agendamento gratuito de visitas em grupo pelo tel. 5085-1300 e e-mail educativo@mam.org.br. Grátis.

Link: www.mam.org.br

 

20º Festival des Artistes de Rue

De 24 a 26 de outubro, ocorrerá o 20º Festival de Artistas de Rua, em Vevey (Suíça), com grupos circenses internacionais, como a companhia brasileira Rebote, a Duoh! Lala (Chile e França), a B. Muchmuche Company (França) e a C. Maurangas (Argentina).

A partir de agosto, a cia. Rebote apresentará o espetáculo “Tome sua Poltrona” em outros festivais na Europa também.

 

Festival na Alemanha
Em julho e agosto, na Alemanha, o festival de teatro de rua Kulturfer apresenta acrobacias e música. Entre os grupos, estão o Rope Theatre, Onn Off Circus e a cia. brasileira Rebote.

De Brasília, o grupo tem como integrantes Atawallpa Coello e Erika Mesquita. Desde 2004, explora  números cômicos de palhaços, equilibrismo e acrobacias. Em 2012 estão com patrocínio da Funarte/MinC para realizar pesquisa de número aéreo com corda em balanço.

Links:

http://www.kulturufer-friedrichshafen.de/top/strassentheater/

http://www.artistesderue.ch/index.php?option=com_content&view=article&id=131&Itemid=4

http://www.circorebote.com/

 

Festival de Férias do Teatro Folha
De segunda a domingo, às 16h00. Sábados e domingos, também às 17h40. Até 29 de julho.
Endereço: Shopping Higienópolis (av. Higienópolis, 618; tel. 3823-2323). Preço: R$ 30,00.

 

Cena de "João e o Pé de Feijão"

 

“João e o Pé de Feijão”

Com técnicas aéreas dos espetáculos de circo, dois comediantes representam o garoto João e a mãe dele em adpatação do conto de fadas. Depois de trocar sua vaca por feijões mágicos, João encontra a harpa e a galinha dos ovos de ouro. Terças, às 16h00.

Ficha técnica

Direção: Carla Candiotto. Grupo: Circo Mínimo. Elenco: Rodrigo Matheus e Ricardo Rodrigues. Cenários e figurinos: Kléber Montanheiro. Adaptação: Carla Candiotto (cia. Le Plat du Jour) e Rodrigo Matheus.

A diretora e atriz Candiotto é ganhadora dos prêmios FEMSA 2011 por “Histórias por Telefone” e APCA 2011 por “Histórias por Telefone”, “A Volta ao Mundo em 80 Dias” e “Sem Concerto” (Circo Amarillo) nas categorias de Melhor Direção. Matheus é ator e o fundador da cia. Circo Mínimo.

 

“O Bobo do Rei”
Adaptação de “Rei Lear”, de W. Shakespeare, pela cia. Vagalum Tum Tum. O rei é um palhaço que faz dupla com a filha caçula ao saírem pelo mundo sem reino. Quartas, às 16h00.

 

Adriana Telg, Paula Flaiban e Helena Cerello, em "Alice"

 

“Alice no País das Maravilhas”

Alice é uma menina de hoje, que vive situações absurdas, inspiradas nas histórias que ela e sua irmã leem. A peça é construída com técnicas da arte do circo, misturadas à linguagem do teatro. As surpresas são as mesmas das histórias de Lewis Carroll, autor dos livros a partir dos quais a peça foi adaptada. Nas aventuras, aparecem o Coelho atrasado, a Rainha de Copas que quer cortar a cabeça de todo mundo, a Lebre e o Chapeleiro maluco. Será apresentada até 30/09.

Ficha técnica

Adaptação livre do livro “Aventuras de Alice no País das Maravilhas”. Direção: Alexandra Golik e Carla Candiotto. Elenco: Helena Cerello, Adriana Telg e Paula Flaiban. Assistência de direção: Bebel Ribeiro. Música original: Marcelo Pellegrini. Voz do Gato que Ri: Edson Montenegro. Cenografia: Le Plat du Jour e Paula De Paoli. Assistência de cenografia: Gabriela Sartori. Cenotécnico: Wagner José de Almeida. Design gráfico: Paula De Paoli. Figurinos: Chris Aizner. Assistência de figurino: Camila Fogaça. Adereços: Ivaldo Melo. Desenho de luz: Miló Martins. Assistência de iluminação: Danilo Martins. Contrarregra: Hilton Esteves de Souza e Anderson Esteves de Souza. Fotógrafo: João Caldas. Consultoria circense: Adriana Telg, André Caldas, Kiko Caldas, Marcelo Castro, Érica Stoppel, Ricardo Rodrigues, Rodrigo Matheus. Produção: Andréa Marques e Solange Borelli.

Serviço

Em cartaz no Teatro Folha, no shopping Pátio Higienópolis, aos sábados e domingos, às 16h00. Endereço: av. Higienópolis, 618, Consolação, tel. (011) 3823-2323. 

 

“Irmãos Sabatino”
Apresentação de acrobacias até 29/07. No Sesc Pompeia (rua Clélia, 93, tel. 3871-7700). Sábados e domingos, às 17h. Grátis.

 

“O Mistério Bufo”
Cinco palhaços contam a história de 32 sobreviventes de um dilúvio durante a revolução comunista de 1917 na Rússia. Estão famintos e precisam construir uma arca para sobreviver.

O elenco interpreta burgueses de vários países, sete pares de personagens chamados de “puros” e sete pares de “impuros” em esquetes de teatro de revista e números de cortina.

O mundo globalizado está em cheque em modelo dramático que rompe convenções do teatro burguês.

Ficha técnica

Texto: Vladimir Maiakóvski. Tradução: Laíza Dantas. Direção: Fernando Neves. Elenco: Academia de Palhaços, com Breno Tavares, Bruno Spitaletti, Laíza Dantas, Paula Hemsi e Rodrigo Oliveiras. Músico: Marcelo Bonvicino (piano). Assistente de direção: Kátia Daher. Cenografia, visagismo e figurinos: Leopoldo Pacheco e Carol Badra. Direção das vozes: Vânia Pajares. Direção musical: Fernando Esteves. Inserções de vídeo e coordenação visual: Carlos Roncoleta. Produção: Carolina Vidotti.

Serviço

Até 29 de julho. Sextas e sábados, às 21h00, e domingos, às 19h00, no Teatro João Caetano. Duração: 90 minutos. Espetáculo recomendável para maiores de 14 anos. Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia-entrada).

Endereço: rua Borges Lagoa, 650, Vila Clementino (próximo à estação Santa Cruz do metrô). Tel.: (11) 5573-3774. Bilheteria abre uma hora antes do início das apresentações. Ingressos também pelo telefone (11) 4003-2050 ou site www.ingressorapido.com.br. Capacidade do teatro: 438 lugares.

 

“Nóis Otário[s]”

O enredo mostra o protagonista Luiz Carlos, presidente de uma ONG, envolvido em conflito do qual fazem parte também o senador Laudemar do Espírito Santo (Raul Barretto) e seu assessor, um agente da polícia federal. Todos são submetidos a uma CPI.

Apresentado por atores engravatados – vestimenta típica de palhaços -, o texto faz alegoria da situação de cidadania brasileira. A população do país se cala enquanto problemas políticos de corrupção correm soltos, estampados nas manchetes dos jornais.

Ficha técnica

Texto e direção: Hugo Possolo. Elenco: Raul Barretto, Alexandre Bamba, Fabek Capreri, Rodrigo Mangal e Hélio Pottes.

Serviço

Espaço Parlapatões – praça Franklin Roosevelt, 158, República, tel. 3258-4449. Aos sábados, às 21h00, e domingos, às 20h00. Até 26/08. Preço: R$ 40,00. Não recomendado para menores de 12 anos.

 

“Xuxu e Xuxuzinho”
Espetáculo com a dupla de palhaços em números do circo tradicional, com  Edgard Carlo e Jorge Carlo Jr. Direção: Eduardo Sterblitch. 60 min. Livre. Sem data para término da temporada.

Serviço

Teatro das Artes – shopping Eldorado – av. Rebouças, 3.970, 3º piso, Pinheiros, tel.: 3034-0075. Sábados e domingos às 16h00. Ingresso: R$ 50,00.

 

TrixMix Cabaret

Em quintas-feiras alternadas, às 21h30, no Estúdio Emme, à rua Pedroso de Moraes, o cabaré apresenta espetáculos que reúnem dança, circo, humor e números inusitados com talentos da atualidade.

Serviço

Estúdio Emme – av. Pedroso de Moraes, 1.036, Pinheiros, na capital.

 

“Jogando no Quintal – 10 Anos”

O espetáculo é um jogo de improvisação realizado por dois times de palhaços bem engraçados. A plateia se divide em torcidas que escolhem os melhores números. Até 02/09, o grupo se apresenta no Estúdio Emme.

 Serviço

 Endereço – Estúdio Emme – av. Pedroso de Morais, 1.036, tel. (11) 3031-3290. Aos sábados, às 20h30, e aos domingos, às 19h30. Ingresso: R$ 20,00.  
Link: www.jogandonoquintal.com.br/agenda/

 
“Tarde de Palhaçadas”

 Palhaços realizam reprises clássicas do picadeiro no teatro, até 28/07.

Autor e diretor: Jairo Mattos. Elenco: André Ceccato, Carlos Baldim, Fabio Neppo e Julia Mariano.

Serviço

Em cartaz no Teatro Ruth Escobar  (rua dos Ingleses, 209, Morro dos Ingleses, tel. 3289-2358). Sábados e domingos, às 16h00. 

 

“O Circo Geral das Galáxias”
Apresenta números de palhaços, no N.Ex.T. (Núcleo Experimental de Teatro).

Serviço

N.Ex.T. – rua Rego Freitas, 454, tel. (11) 3151-4373, centro de São Paulo. Quartas, às 21h00. Até 22/08. 

 

“As Mulheres do Sol”

No dia 29 de julho, domingo, o Sesc Santana apresenta, no Clube Escola Jardim São Paulo, “As Mulheres do Sol”, espetáculo que usa as linguagens de dança vertical, circo, teatro e esportes, com a cia. Base.

As bailarinas voam em cordas de um balão a 20 metros de altura, em relação ao solo. Voam também em tecidos, liras, cabos e cordas elásticas.

A apresentação homenageia a espanhola Maria Aida, primeira mulher a voar de balão no Brasil, em 1909, na cidade de Curitiba.

Sesc Santana: Av. Luiz Dumont Villares, 579, Jardim São Paulo.

Dia 29 de julho, domingo, às 17h. Grátis. O Clube Escola Jardim São Paulo fica  atrás do Sesc Santana.

 

“Totalmente Pastelão!”

Espetáculo dos Parlapatões estreia no Teatro Alfa em 21 de julho, às 17h30, com direção de Hugo Possolo.

Conta a história de Chico Farofero e Resmelengo, moradores de rua que criam uma empresa para trapacear. As primeiras vítimas são Tartamelo e Dulcinéia, donos de uma doceira.

 

Circo de "Madagascar 3", armado no Coliseu, em Roma

 

Cinema com circo em “Madagascar 3: Os Procurados”

Os quatros amigos Alex, Marty, Hippo e Melman querem voltar para o zoo de Nova York, mas são perseguidos pela malvada capitã Dubois e se escondem no velho Circo Zaragoza, com tinta desbotada e velhos cartazes colados nas paredes internas dos vagões do trem que transporta o picadeiro.

O Zaragoza é armado no Coliseu, em Roma. Alex vira trapezista. Marty se disfarça de cavalo e Hippo se torna dançarina.

Nos cinemas. “Madagascar 3: Os Procurados” (Madagascar 3: Europe’s Most Wanted). Direção: Eric Darnell, Tom McGrath e Conrad Vernon. Produção: EUA, Dreamworks, 2012. Em cartaz em vários cinemas, como o Eldorado Cinemark, e circuito.

 

Teatro nos Parques 2012

O projeto, da Cooperativa Paulista de Teatro, apresenta gratuitamente peças de teatro em parques do Estado de São Paulo. O evento está na 6ª edição e ocorre até 29 de julho. São 40 sessões de espetáculos em 33 parques públicos. Idealização e coordenação: Edson Caeiro. Administração: Roberto Rosa. Produção: Dudu Oliveira, Rosy Cunha, Thatiane Mattos e Lina Agifu.  

“É Nóis na Xita” – Grupo Namakaca

Em 29/07, às 11h00, no parque Centenário, em Mogi das Cruzes. Cara de Pau, Montanha e DuCirco fazem palhaçadas, malabarismos e brincam de improviso e música.

“Não Vim no Mundo pra ser Pedra’’ – Grupo Clã do Jabuti

Em 21/07, às 15h00, no parque da Luz. Adaptada das obras “O Carro da Miséria”, “Macunaíma” e “Clã do Jabuti”, de Mário de Andrade, a peça narra as aventuras de personagens bufões.

 

 

ESPECIAL

Concertos do Projeto Música pela Cura

Em benefício de crianças e adolescentes com câncer, o dinheiro dos ingressos dos espetáculos será entregue à Tucca (Associação Para Crianças e Adolescentes com Câncer). A associação trabalha em parceria com o Hospital Santa Marcelina, que cuida desse projeto, responsável pela série de concertos para crianças Aprendiz de Maestro.

Os espetáculos têm regências dos maestros João Maurício Galindo – um dos criadores da série – e Luís Fidelis.

Link: www.tucca.org.br/eventos/agenda.asp;

 

LONA

Cena de "A Menina Virou", da cia. Capadócia

 

“Férias no Circo Teatro Paratodos”

Espetáculos da cia. Capadócia – O grupo tem em repertório a comédia adulta “A Menina Virou”, o espetáculo para crianças “O Segredo da Janela” e a intervenção “Rádio Maçã do Amor”, com o palhaço Gelatina (Wilson Vasconcelos).

Cia. Capadócia: João Donda e Wilson Vasconcelos.

Em julho, a lona está armada no estacionamento do Walmart. Quintas e sextas, às 19h00, e sábados e domingos, às 16h00 e às 19h00. Preço: R$ 10,00.

Link: http://www.ciacapadocia.com/#!__circo-paratodos

 

Circo Spacial

O Circo Spacial apresenta espetáculos itinerantes com números de equilíbrio, malabares, tecido, palhaços e trapézio. 

Link: http://www.spacial.com.br/

 

Circo dos Sonhos – “Quyrey – Uma Aventura na Selva”

No primeiro espetáculo, duas crianças são convidadas a subir ao picadeiro, entram num armário e viajam por selva encantada, representada por números aéreos, de equilíbrio no monociclo e com malabares.

Serviço

Circo dos Sonhos – av. Nicolas Boer, 120, Parque Industrial Tomas, região oeste, tel. 2076-0087. Sábados e domingos, às 17h00 e às 19h30. Ingressos: R$ 20,00 e R$ 40,00.  

Link: www.circodossonhos.com/espetaculo/quyrey

 

Circo Stankowich – 170 anos

Traz números de ilusionismo, malabarismo e globo da morte, além de exibir trapezistas em saltos mortais, números de ilusionismo e o show das águas dançantes. 

Link: www.stankowich.com.br/

 

Circo Vox

Circo Vox

O Circo Vox ficou com a lona montada na zona sul da capital paulista durante sete anos e tem sete espetáculos em repertório. Em 2012, procura terreno para montar a lona.

No site da companhia constam projetos em fase de captação, como os espetáculos “Circo Vox 10 Anos” e “A Hora da Verdade”.

O grupo faz espetáculos, performances e explora malabarismo, números aéreos, acrobacias e equilibrismo.

Está com apresentações gratuitas em 22/07 e 29/07 do espetáculo “Curta A Temporada” na lona do Vox no Sesc Santo André, às 16h30.

Nos dias 20 e 27/07, o espetáculo “Curta A Temporada” será apresentado às 21h00 no Sesc Bertioga. Grátis também.

Em 28/07 o Vox apresenta, também gratuitamente, o espetáculo “Arruaça”, no Sesc Santana, às 16h00.

O Vox oferece oficinas gratuitas de circo no Sesc Santo André. Endereço: rua Tamarutaca, 302, Vila Guiomar,  tel. 4469-1200. Horários: às 14h00, de terça a sexta e às 11h00 no sábado e no domingo até 29/07.  

http://circovox.com.br/o-circo/

 

 

Atenção: Não saia de casa sem confirmar se haverá espetáculo porque ocorrem mudanças de última hora.

 

CURSOS

Fábrica de Cultura

Governo de São Paulo inaugura Fábrica de Cultura, com cursos de dança, música, artes plásticas, teatro, multimeios, xadrez. Nos cursos de circo, é possível escolher de clown, acrobacias aéreas e de solo.

Com 6 mil m² e totalmente equipada com estrutura e instrumentos para oferecer atividades artísticas de formação e difusão, a Fábrica de Cultura da Vila Curuçá, na zona leste de São Paulo, é ponto de encontro de toda a comunidade do bairro. Inaugurada em dezembro de 2011, ela oferece 1.200 vagas em oficinas para crianças e jovens de 9 a 18 anos, com aulas durante a semana. Aos sábados e domingos, o espaço é aberto para que toda a comunidade assista a apresentações culturais e participe de workshops abertos.

Funcionamento: Aulas de terça a sexta, das 9h00 às 12h00 e das 14h00 às 17h00. Aos sábados ocorrem os cursos livres (sem necessidade de inscrição) e, aos domingos, as atividades de difusão cultural, que incluem shows e espetáculos no auditório.

Rua Pedra Dourada, nº 65, Vila Curuçá. Tel.: (11) 2016-3316. 

Os outros endereços se encontram no link abaixo.

www.fabricasdecultura.sp.gov.br/index.html

 

 

Deixe uma resposta

*