Pé na Estrada

Ousadia marca 75º Fringe

 

Fringe – Maior Festival de Artes do mundo… 

 

… ocupa Edimburgo, na Escócia

.

 

Ivy Fernandes, de Roma

Depois de um longo período de restrições provocadas pela pandemia de Covid, o Festival Fringe de Edimburgo completou 75 anos com um programa que incluiu questões atuais como identidade de gênero, feminismo, política, racismo, preconceito contra migrantes, saúde mental e neurodiversidade.

Apesar da polêmica provocada pelo programa em grupos mais conservadores e de críticas de alguns representantes da mídia, o festival foi um sucesso.

.

Cena do Fringe…

.

Companhias de mais de 63 países se apresentaram no festival, que registrou a incrível afluência de 1.354 de representantes do mundo circense e das artes como organizadores de shows, cenógrafos e caçadores de talentos de 45 países.  Mais de 770 profissionais da área de mídia cobriram o evento.

O público pode apreciar trabalhos de países como Canadá, Taiwan, Coréia do Sul, Austrália, África, Dinamarca, Finlândia, Escócia, Bélgica, Reino Unido, entre outros países europeus.

O número total dos artistas de rua também superou as expectativas este ano. Mais de 3.380 profissionais foram para palcos e espaços ao ar livre com apresentações gratuitas.

.

 

…fesrtival que encanta o publico…

.

No encerramento do festival, Shona McCarthy, CEO da Edinburgh Festival Fringe Society, disse:  "O festival deste ano é o primeiro passo no que será um longo caminho de recuperação e renovação . O festival é resultado do trabalho árduo de milhares de artistas e centenas de locais, produtores e funcionários que se uniram para realizar o evento do 75º aniversário durante um dos verões mais desafiadores registrados. O nosso objetivo principal é que Fringe seja o melhor lugar para os criativos expressarem suas ideias.”

.

…nas ruas e…

.

…nos palcos

.

Deixe um comentário

*