Comentários

Papai Noel faz spakate

 

 

Mônica Rodrigues da Costa*, especial para o Panis & Circus

O concerto para crianças “Natal em Sol Maior”, na Sala São Paulo, espaço de música erudita, em 15/12, envolveu muito samba no pé e famosas canções de celebração do nascimento de Jesus, nacionais e internacionais, acompanhadas de um sensacional repertório de música popular brasileira clássica para representar as comemorações cristãs em perspectiva brasileira e original.

O maestro João Maurício Galindo regeu a pequena orquestra, Sinfonieta Tucca Fortíssima e o coral Patois, mas ainda teve de enfrentar a maior confusão no palco.

 

Maestro João Maurício Galindo comanda o Aprendiz de Maestro / Asa Campos

 

Apareceu um dançarino (Djeilo Henes) realizando coreografias ao som da orquestra, e ele se multiplica para representar vários papéis, entre eles, o de São Nicolau e do Papai Noel.

Entraram na frente dos músicos também palhaços atores e todos queriam contar suas histórias, mas acabaram vivendo a aventura da vida de São Nicolau, que ficou conhecido como Papai Noel, e a saga do nascimento de Jesus 2018 anos atrás.

 

Coral Patois e Coral Vozes Paulistanas em Natal em Sol Maior / Asa Campos

 

Paulatinamente os personagens abordaram as figuras do Presépio e mostraram a transformação de São Nicolau em Papai Noel e o nascimento do menino Jesus ao som de Villa-Lobos e Assis Valente, entre outros compositores.

O primeiro problema que o maestro João Maurício Galindo enfrentou foi combater a tristeza na Sala São Paulo, do contrário o Espírito Natalino não permitiria que a música “Noite Feliz” fosse executada.

O regente encontrou entre o público o Gaspar (Daniel Warren), um dos Reis Magos que seguiram a estrela para encontrar a manjedoura em Belém e presentear o menino-Deus.

 

Gaspar, que duvida da existência de Papai Noel, e o maestro / Asa Campos

 

Gaspar estava muito infeliz porque Melquior e Baltasar brigaram entre si, e ia demorar para os três se reunirem de novo.

Outra grave complicação aconteceu. Gaspar ouviu fake news (notícias falsas) e passou a não acreditar mais que Papai Noel existe de verdade. Burburinho na plateia. Pararam a orquestra e o coral.

O maestro Maurício João Galindo precisou chamar a amiga Dona Befana (Ana Luísa Lacombe), uma senhora que mais parecia uma feiticeira do bem, para provar a Gaspar a existência de São Nicolau, desde quando bebê, na Turquia, até ser considerado como o Bom Velhinho.

 

Dona Befana (Ana Luísa Lacombe) e a história de Papai Noel / Asa Campos

 

Para solucionar a tristeza do Gaspar, Balthasar apareceu e o maestro foi coroado como o terceiro Rei Mago. Houve o reencontro do trio e a apresentação da música.

A orquestra executou a composição de Franz Grüber. A plateia se emocionou com “Noite Feliz”, que também foi apresentada no final, em uma cena impactante em que os integrantes do Coral Patois, (regido por Luís Fidelis, levantaram as bandeirinhas coloridas de países de tudo quanto é canto do mundo para celebrar a paz entre os homens.

 

Gaspar e o bailarino, os dois Reis Magos / Asa Campos

 

Gaspar e o bailarino, os dois Reis Magos / Asa Campos

 

Nas cenas com os Reis Magos do espetáculo, entraram as composições “Pastoril Alagoano” (anônimo/ Nicolau Bebê), “Motivo Egípcio” (Francisco Braga) e a marchinha de Carnaval “Alalaô”, de Haroldo Lobo. Todos os personagens caíram na folia do Rei Momo até o próximo problema.

Outra encrenca ocorreu e foi com a estrela de Belém, que desapareceu atrás de uma nuvem no céu cinzento. Como encontrar o bambino? – preocupou-se Befana.

O maestro, felizmente, resolveu a contento todos os desafios que surgiram e regeu a orquestra e o coral com precisão, enquanto o público se emocionava com a música e ria à beça diante das palhaçadas dos personagens.

 

Papai Noel e o Rei Mago Gaspar brincam na Sala São Paulo / Asa Campos

 

Entre a sucessão veloz dos acontecimentos, os atores, a orquestra e o coral deram um show de competência. Os personagens se afastavam da frente da orquestra e os espectadores puderam fruir as composições e usufruir das piadas natalinas dos palhaços.

Além do excelente encadeamento das ações e dos diálogos eficientes, “Natal em Sol Maior” expressa o convívio entre música popular e erudita e esse é um ponto alto de sua criatividade.

A escolha do repertório do espetáculo, a mistura entre a cultura europeia que herdamos e a tradição folclórica nacional própria dão ênfase a composições internacionais populares no Brasil e cantigas de roda, marchinha de Carnaval e sambas clássicos.

 

Maestro, Gaspar, um dos reis magos, Papai Noel e Dona Befana / Asa Campos

 

Impecáveis, os músicos e o coral mostraram obras brasileiras de Adoniran Barbosa, “Samba do Ernesto” (cena de Dona Befana), e de Assis Valente, com “Recadinho de Papai Noel” (cena de encontrar a roupa para Papai Noel vestir). Entre muitas outras.

A trama foi desenvolvida (texto e direção de Paulo Rogério Lopes) acompanhando o ritmo das composições, que se misturaram às situações vividas pelos personagens, com procedimentos de circo e de teatro.

A certa altura, Dona Befana decide viajar para a Itália com Papai Noel, e a trilha sonora é “Trem das Onze” (Adoniran Barbosa/ Boneco de Neve) e “Batuque” (Lorenzo Fernandez).

A perspectiva de Natal brasileiro, particular, reforça o sentido de que a festa é universal, de paz, amizade, alegria e compartilhamento quase no planeta inteiro.

Além de aprender o que é cultura local e global, entender a diversidade e conhecer arte brasileira, as crianças da plateia assistiram a uma inusitada história de Jesus e vivenciaram o concerto, ouvindo como soa cada instrumento musical e seus variados efeitos e timbres.

Houve no domingo, 16/12, mais uma apresentação, no Teatro J. Safra. O espetáculo integra a série “TUCCA Aprendiz de Maestro”, do projeto Música pela Cura da associação TUCCA – Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer.

 

Maestro e os óculos natalinos / Asa Campos

 

Ficha técnica

Elenco: Maestro João Maurício Galindo, Ana Luísa Lacombe, Daniel Warren

Texto e direção: Paulo Rogério Lopes. Direção musical e regência: João Maurício Galindo, texto e direção de Paulo Rogério Lopes. Música: Sinfonieta TUCCA Fortíssima. Produção Geral: Ângela Dória.

 

Cenas do maestro em Natal em Sol Maior com fotos de Asa Campos

 

Veja reportagens sobre o Natal do Aprendiz de anos passados

“O site Panis & Circus acompanha a série Aprendiz de Maestro e o Natal desde 2013. Clique aqui para conferir:

Aprendiz canta Feliz Ano Novo em sua procura de Papai Noel – 2017; Aprendiz apresenta João e Maria à procura do Papai Noel – 2016; Papai Noel salva soldadinho de chumbo e bailarina – 2015; Papai Noel Sumiu faz arte fingindo ser de brincadeira – 2014; Palhaços invadem o Natal de Nicolau – 2013”

 

* Jornalista frila, crítica de teatro e circo, poeta e professora, doutora em comunicação e semiótica.

 

Legenda da Foto de Capa – Papai Noel faz spakate no Natal em Sol Maior / Asa Campos

Deixe uma resposta

*