Capa

Protesto ambiental, queda de equilibrista e nudez de dupla feminina marcam a 41ª edição do Cirque de Demain, em Paris


Ivy Fernandes, de Roma

O Festival do Cirque de Demain, em sua 41ª edição, reuniu 150 artistas provenientes de 22 países e responsáveis por 20 espetáculos memoráveis,  de 30/1 a 2/2, no Cirque Phénix, em Paris. Mas essa edição de 2020 vai ficar marcada por protesto ambiental, acidente no picadeiro e nudez de equilibrista. 

Em 30 de janeiro, quinta-feira, durante a apresentação do número da barra russa do Trio Tribarre Flyers – trio canadense –, a equilibrista Corrine Trottier se desequilibrou e caiu. Ela foi levada ao hospital e está bem – felizmente o acidente não teve consequências mais sérias. Mas, a queda assustou o público de cerca de 2000 pessoas e os espetáculos que iriam se apresentar após o Trio Tribarre Flyers foram suspensos.  Foi a primeira vez, em seus 41 anos de existência, que aconteceu um acidente no Festival de Cirque de Demain.  

Trio Tribarre Flyers: apresentação no 41ª edição antes da queda

Um dia depois da queda, em 31 de janeiro, sexta-feira, a dupla Francesca Hyde & Laura Stokes faziam acrobacias aéreas, suspensas pelo cabelo, quando no final do número seus vestidos caíram e elas ficaram nuas. A equipe organizadora do festival – apesar de não esperar esse desfecho – não fez qualquer comentário. Mas no sábado elas usaram calcinhas no final do espetáculo. Os seios continuaram descobertos. Elas ganharam Medalha de Prata no festival.

Francesca Hyde e Laura Stokes:  acrobacias aéreas suspensas pelo cabelos

Em 1 de fevereiro, sábado, o artista francês Erwan Tarlet começou seu número usando sapatilhas de balé, shorts e camiseta pretos.  Depois de dar passos na ponta do pé, foi suspenso por cintas aéreas. Ele tirou a camiseta ficou pendurado no ar durante sete minutos: em seu peito estava escrito Demain (Amanhã?) e nas costas o ponto de interrogação. Com essa performance, ele deixou claro sua adesão ao protesto de Greta Thumbel (ambientalista) e o grito de  socorro  publicado  em seu hashtag #actforclimat: “A humanidade pendurada. Mas não fazem nada para mudar…”

Erwan Tarlet e seu protesto ambiental Demain? (Amanhã?)

Apesar dos imprevistos, Alain Pacherie,  diretor do festival, declarou ter ficado satisfeito com a edição 2020, que mais  uma vez teve como mestre de cerimônias Calixte de Nigremmont.

Calixte de Nigremmont de paletó preto em frente a trupe de artistas

O mestre de cerimônica afirmou que: “lido com o imprevisto no trabalho. Os festivais de circo são um contínuo ‘trilling’ e é preciso manter a calma e o equilíbrio. O festival de Demain reúne jovens do mundo inteiro, uma Babilônia de idiomas e a competição é acirrada. Mais: a movimentação técnica é intensa com mudanças de aparelhos, luzes, tapetes, trapézio e seus motores. E o tempo é determinante entre um número e outro. Uma vez precisei improvisar falas durante 15 minutos para distrair a plateia na troca entre números”.

Premiação

Aristocrata excêntrico, Calixte domina o palco/picadeiro com maestria. Admirado e respeitado pelos artistas, é também um personagem  entre os  novos personagens: vive sozinho  em uma grande  casa antiga, com dois gatos  e 200  rosas, a sua  segunda paixão depois do circo. ” Eu nasci  em Lês Rosiers-sur-Loire (Maine-et-Loire).  Era natural amar as rosas.”

O Grande Prêmio ficou com a Troupe Municipal de Guanzhou que impressionou com a arte solo do acrobata na corda bamba e que trouxe também música e dançarinos no palco/picadeiro.

Troupe Municipal de Guanzhou ganhou o Grande Prêmio

A Medalha de Ouro foi para os trapezistas franceses Célien & Nicolas –que mostraram precisão técnica e sofisticada — e para 1.2.3 Marinich Foudantion, da dupla formada por um francês e um dinamarquês que apresentou truques acrobáticos e aéreos em um aparelho de balanço.  O número misturou farinha de trigo, confetes e balde de água – humor e técnica o que fez com que eles também levassem o prêmio do público.

Medalhas de ouro para 1.2.3 Marinich Foundation… e
…os trapezistas (Nicolas e Célien) com penas negras

Destaque para Tom Lacoste, da França, que fez um número incrível   de ‘diabolo’. Seus movimentos estavam sincronizados com o som de portas rangendo. Engraçado e inteligente. Ele ganhou Medalha de Prata. 

A equilibrista Valeriia Danydenko, da Ucrânia, também ganhou Medalha de Prata por sua leveza e habilidade técnicas.

O malabarista Tom Lacoste, da França e a equilibrista…
… Valeriia Danydenko, da Ucrânia: ganharam Medalhas de Prata / Fotos Jona arnischmacher

Benedikt Baumann, da Hungria, apresentou o número de aro. Seu estilo rítmico e extravagante funcionaram  bem no picadeiro/palco. Benedikt ganhou Medalha de bronze.

O aro de Benedict / Foto Arthur Hofmeester

 O Luminous-J, um grupo de malabaristas se apresentou com todos os tipos de acessórios em LED: bolas, claves e diabolô e ganharam o Prêmio Especial. 

Luminous-J e suas claves em LED / Foto Jona Harnischmacher

Destaques para Starbugs, o trio suíço de comediantes que fez rir e surpreendeu com suas tiradas engraçadas.

Trio Starbugs, da Suíça

O número mão a mão com as artistas de maio duas peças e toca de natação caíram no gosto do público que aplaudiu com entusiasmo.

Mão a mão com traje de banho

Jovens de todo mundo

A 41ª edição, que teve a direção artística de Pascal Jacob, atraiu novos talentos de todas as partes do mundo: Alemanha, Brasil, Canadá, Colômbia, China, Etiópia, Estados Unidos, Espanha, França, Finlândia, Holanda, Itália, Japão, Mongólia, Porto Rico, Rússia, Suécia, Suíça, Ucrânia, Venezuela e  Vietnã.

O Festival Mundial do Cirque de Demain (Circo do Amanhã) foi criado, em 1977, por Isabelle  e Dominique Mouclair, e é a competição para jovens  de maior prestígio na Europa. 

O júri da 41ª edição foi formado, entre outros, por Pavel Kotov
diretor de casting do Cirque du Soleil; Cécile Provôt, diretora do Circus Next;  Stéphane Simonin, presidente da Federação Europeia de Escolas de Circo e Yao Jianguo, diretor do Shandong Acrobatic Troupe.

Público e algumas das bandeiras dos países dos artistas no festival
Cartaz do Festival

Fotos da reportagem / Divulgação

Legenda Foto de capa – Público e palco/picadeiro na 41ª edição do Cirque de Demain / Foto Jona Harnischmacher

Deixe uma resposta

*