Picadeiro

Emoção no encontro com o público no Sesc Jundiaí

Da Redação

Sensível e sensual, Cachimônia, espetáculo da cia. Artinerant´s de Maíra Campos e Nié Pedro, artistas fundadores do Circo Zanni, apresenta-se ao vivo nesta sexta-feira, 22 de outubro, às 20 horas, no Sesc Jundiaí.  

“Parafraseando o poeta, a vida é a arte do encontro com o público”, afirma Maíra Campos. Sem dúvida, “o público é a razão da nossa existência”, diz Nié Pedro.   

Batida acelerada do coração e frio na barriga resumem a expectativa dos dois artistas na apresentação de Cachimônia no Sesc Jundiaí.   

E como são apenas 66 lugares disponíveis, em razão da exigência do distanciamento social, é preciso agilizar a compra dos ingressos que estão sendo vendidos no Portal do Sesc. 

.

.

Cachimônia mistura circo, música, humor e artes plásticas para contar a história de um casal que vive no campo e participa de uma jornada de embriaguez dos sentidos. 

Com duplo sentido, o título do espetáculo “Cachimônia” é um termo que remete à cachola (popular referência ao sofisticado intelecto ou à cabeça) e pode significar a paciência e o equilíbrio, no caso, a do casal ao enfrentar o cotidiano com seus altos e baixos, ou a coragem deles em virar esse cotidiano de ponta-cabeça com saltos acrobáticos e notas musicais.   

Confira comentários de jornalistas, artista plástico, produtora cultural e escritora sobre Cachimônia.  

.

.

“Cachimônia condensa, de maneira muito original, o humor, a dança e as artes circenses. É um belo espetáculo”. Beatriz Antunes, escritora e editora.  

“O cardápio de Cachimônia inclui elaboradas acrobacias no chão e sobre a mesa, um bailado à la Broadway, no qual o dueto se equilibra sobre sapatos de salto alto dignos de roqueiros da vertente heavy metal, e um solo de trombone de Nié como acompanhamento para evoluções de Maíra no solo, sobre uma pilha de cadeiras e garrafas de vidro de leite”. Dario Palhares, jornalista e artista plástico.

.

.

“Em Cachimônia, o público assiste, como de uma janela, ao desenrolar de cenas tensas, bem-humoradas e afetuosas, que retratam com plasticidade a vida compartilhada de um casal ao mesmo tempo anônimo e universal.” Aline Araújo, redatora, editora e revisora. 

“Com uma mistura de graça e sensualidade, o espetáculo Cachimônia protagonizado por Maíra Campos e Nié Pedro mostra as peripécias de um casal de acrobatas imersos num relacionamento intenso e cheio de reviravoltas.” 

*Mariana Campos, jornalista e produtora cultural. 

.

Acrobacia com afeto e arte   

.

Por Aline Araújo* 

Cachimônia é uma obra carregada de sentidos, natureza já indicada pelo título, que pode significar “cabeça” – lugar do pensamento e da memória – e “paciência”. 

Os personagens, interpretados por Maíra e Daniel, passam a noite inebriados em uma casa de campo, em meio a sons de animais, jogos de cartas e garrafas de leite cheias de vinho; não há diálogos verbais, eles se comunicam por meio dos movimentos. O cenário, composto de uma mesa giratória, cadeiras e uma grande estrutura com fundo preto, abriga inúmeras possibilidades de transformação do ambiente doméstico em uma imagem surrealista, servindo de suporte para evoluções acrobáticas e números de equilibrismo. Com graciosidade e precisão, ela caminha sobre uma vassoura, garrafas de vidro e móveis, construindo uma metáfora vivaz dos desafios cotidianos. Ele, por sua vez, demonstra força e dinamismo em suas acrobacias, além de exercer liberdade e desenvoltura ao dançar usando botas de salto alto. 

Em Cachimônia, o público assiste, como de uma janela, ao desenrolar de cenas tensas, bem-humoradas e afetuosas, que retratam com plasticidade a vida compartilhada de um casal ao mesmo tempo anônimo e universal. Ao transformarem a relação conjugal e as situações convencionais em jogos de equilíbrio, acrobacia e arte, a dupla da Cia Artinerant’s nos mostra, em um espetáculo maduro e dinâmico, que, com perspicácia, paciência e parceria, viver junto pode ser leve e bonito.

*Aline Araújo – redatora, editora e revisora de textos 

.

Embriaguez dos sentidos no risco e riso

.

Por Beatriz Antunes* 

Em Cachimônia, o casal se entrega a uma noite de embriaguez e delírio em sua casa no campo. Compartilham vinho em lugar de leite, que aparece nessa noitada como garrafas vazias, onde brincam de se equilibrar. Usando a linguagem mista que caracteriza a pesquisa da companhia, circo, dança, acrobacia, teatro e música dão contorno a uma atmosfera onírica em que o casal experimenta viver desejos confessados somente por conta da embriaguez.

A dança é o eixo em torno do qual se dá a interação de Maíra (Campos) e Nié (Pedro), os  protagonistas. É o que se vê na cena em que Ela desconcerta o parceiro ao lhe dar de presente um par de botas brilhantes. (…) Depois de um arranjo rápido de cabelo e postura, eis que Ele se ergue ligeiro, e onde havia um corpo tímido e constrito, agora fica em pé um homem firme, consciente de cada músculo de seu corpo, Ele encarna a dança. Lado a lado e calçados em seus respectivos saltos, altíssimos por sinal, Maíra e Nié ficam de frente para o público e dançam. É dança, e também é circo, é equilíbrio e apoio, e nessa intenção narrativa estruturada em cena através da coreografia, o espetáculo condensa, de maneira muito original, o humor, a dança e as artes circenses.

*Beatriz Antunes – Editora autônoma e co-autora com João Bandeira de “De gatos e galáxias – Trajetória poética de Haroldo de Campos”

.

Cachimônia mexe com as cabeças e corações 

.

Por Dario Palhares* 

“Cachimônia” da Cia. Artinerant’s, poderia, perfeitamente, integrar mostras da produção teatral contemporânea. Protagonizado por Maíra Campos e Daniel Pedro, o Nié, o espetáculo promove uma feliz e original fusão de duas artes do passado: o teatro circense, uma das principais atrações dos picadeiros entre o século 19 e as primeiras décadas dos 1900, e o cinema mudo, que esteve em voga até o fim dos anos 1920. Como seu título indica, entretanto, “Cachimônia” (“cabeça” como “centro do intelecto”, segundo o “Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa”) provoca mais reflexões do que risos. A degustação da bebida é o ponto de partida da interação e das performances dos artistas: primeiro ao redor e sobre uma mesa giratória; depois em um bailado, ao som da valsa “Gramofon” (Eugen Doga), do qual “participam” braços e uma cabeça postiços, esta afixada no topo do chapéu de Maíra.

O recurso a acessórios e equipamentos originais é uma das marcas registradas da Artinerant’s. O destaque em “Cachimônia” fica por conta de uma grande estrutura metálica vazada, em formato de cubo, que se presta a vários fins. De início, a dupla se entremeia às tiras de tecido fixadas verticalmente na parte frontal da caixa para executar uma divertida coreografia do gênero “esconde e revela”, que traz à memória técnicas usadas no teatro negro de Praga. Mais à frente, a peça serve de suporte para exibições de arremessos de facas e de equilibrismo, a cargo de Maíra.

São as exibições conjuntas, no entanto, que compõem a linha mestra de “Cachimônia”. O cardápio inclui elaboradas acrobacias no chão e sobre a mesa, um bailado à la Broadway, no qual o dueto se equilibra sobre sapatos de salto alto dignos de roqueiros da vertente heavy metal, e um solo de trombone de vara de Nié como acompanhamento para evoluções de Maíra no solo e sobre uma pilha de cadeiras. A colaboração atinge o ápice durante a caminhada da equilibrista sobre garrafas de leite, cuja trajetória é “pavimentada” e suportada pelo dedicado parceiro. No fecho, ela interpreta ao megafone “Azul”, de Maria Tereza Lara, acompanhada por seu par ao trombone. A canção prossegue na voz de Natalia Lafourcade, que embala em blue a dança final do casal.

Dario Palhares é jornalista e artista plástico. 

.

Graça e sensualidade

.

Por Mariana Campos* 

Com uma mistura de graça e sensualidade, o espetáculo Cachimônia protagonizado por Maíra Campos e Nié Pedro mostra as peripécias de um casal de acrobatas imersos num relacionamento intenso e cheio de reviravoltas.

Na cena inicial, a trilha sonora melancólica e a luz vermelha logo criam o clima para um jogo provocante, um duelo de acrobacias e danças utilizando elementos como cartas de baralho, taças de vinho, pés, mãos e cabeças em compasso, denotam a intimidade e sincronia do casal.

A beleza e tensão continuam nas cenas de equilíbrio sob garrafas e cadeiras e salto alto, para enfim, dar lugar à uma das cenas mais intensas do espetáculo: um jogo de cena dramático onde a mulher  usa todo seu poder de sedução para atraí-lo, enquanto ele simplesmente a ignora, la continua insistindo e se arrastando a seus pés e ele a atira pra longe, com frieza, numa demonstração da incerteza e instabilidade que muitas vezes domina os relacionamentos.

Porém num ímpeto de paixão, eles se reconciliam e encerram com um número gracioso de dança e acrobacias em dupla, traduzindo a esperança e a beleza dos recomeços. Merece destaque a trilha sonora, pensada por Fê Stock e Lu Lopes, cuidadosamente inserida nas cenas como um adendo às emoções interpretadas pelo casal, muitas vezes acabava por dar o tom das situações representadas e dialogar com o público, tanto quanto a performance dos artistas.

 *Mariana Campos é jornalista e produtora cultural

.

.

.

Sesc Jundiaí 

Local: Teatro do Sesc Jundiaí – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6600 – Jardim Botânico, Jundiaí – distante 56 km de São Paulo e o tempo estimado de percurso entre as duas cidades é de aproximadamente 40 minutos.   

Dia e Horário – sexta-feira, 22 de outubro, às 20 horas

Ingressos à venda no Portal do Sesc 

Deixe uma resposta

*