Picadeiro

“Vizinhos” abre a segunda temporada de webdocumentários de Circos; “Barlovento” em Circos

 

 

E apresenta-se no Sesc Santo Amaro nos dias 4,5,6 e 7 

Da Redação

“Vizinhos” é um “espetáculo cheio de sutilezas, uma vontade de brincar com o surrealismo”, afirma Maíra Campos, no início de seu depoimento que abre a segunda temporada de webdocumentários de Circos – Festival Internacional Sesc de Circo 2015. Filmado no Sesc Jundiaí, com direção de audiovisual de Diego Lajst e fotografia de Thais Taverna, esse episódio traz cenas do espetáculo que trata das peripécias entre dois colegas que dividem o mesmo espaço, um sótão. Os artistas Daniel Pedro e Maíra Campos, da Artinerant´s, são os responsáveis pela criação de “Vizinhos” – dirigido por Lu Lopes (a Palhaça Rubra). A próximas apresentações do espetáculo acontecem no Sesc Santo Amaro, no feriado 4/6, às 18 horas; sexta (5/6) e sábado (6/6) às 21 horas e domingo (7/6) às 18 horas, dentro da programação do festival de circo.

Mais Circos

A 3ª edição de CIRCOS, que acontece em 15 unidades da instituição, na capital paulista e na Grande São Paulo, estreou em 28/5 e encerra-se no domingo 7/6.

Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo, afirma que “o circo possui uma tradição milenar, que reside na memória de muitos indivíduos”. Assim, o festival “atua como porto e viagem, que nos guia por mapas afetivos e colabora para enriquecer nossos caminhos culturais.”

Os números evidenciam os avanços que CIRCOS consolida edição após edição, informa a assessoria de comunicação do Sesc, Canal Aberto. Em 2014 foram apresentados 23 espetáculos (14 nacionais e 9 internacionais), vindos de 6 países, mais o Brasil, em 13 unidades do Sesc. Em 2015 são 28 espetáculos (13 nacionais e 15 internacionais), provenientes de 10 países, mais o Brasil, apresentados em 15 unidades da instituição.

A seguir, destaques da programação internacional e nacional, descritos pela assessoria de comunicação do Sesc – Canal Aberto, e que ainda dá tempo de ser vistos.  

Destaques Internacionais

B-Orders (Palestina) – é a primeira vez que Circos recebe um representante do Oriente Médio. “O casal palestino Ashtar Muallem e Fadi Zmorrod utiliza-se de técnicas circenses e dança contemporânea.” Espetáculo convida também a reflexão do papel da mulher. “O circo é um dos poucos lugares em que a mulher pode subir ao palco na cultura muçulmana”.  Espetáculo vai estar no Sesc Belenzinho nos dias 4/6 às 19 horas, 5/6 e 6/6 às 21 horas e 7/6 às 19 horas.

 

B-Orders / Foto de Véronique Vercheval

 

Underart (Suécia) – a história “é inspirada na vida do diretor sueco Olle Strandberg, que perdeu os movimentos após um malsucedido salto triplo no trapézio”. Mistura de poesia, humor e dor na reinvenção de um artista. O nome da companhia é Cirkus Cirkör, que significa Circo do Coração. Espetáculo vai estar no Sesc Vila Mariana nos dias 4/6 às 18 horas, 5/6 às 21 horas, 6/6 às 21 horas e 7/6 às 17 horas.

 

Underart / Foto de Mats Bächker

A Costureira (Suíça)  – Gardi Hutter, artista suíça, “é uma das mais importantes artistas circenses na arte da palhaçaria”. No espetáculo “ela é Joana, uma costureira criativa, que descobre o fio de sua vida e com ele vai tecendo momentos de alegria”. Espetáculo vai estar no Sesc Santana nos dias 6/6, às 21 horas, 7/6 às 18 horas.

A Costureira / Foto Divulgação

 

Barlovento (Argentina) – os argentinos da Cia. Hazmereir levam um árabe, um italiano, uma francesa e um russo a navegar por mares desconhecidos. Nenhum deles entende a língua do outro. Os personagens interagem usando acrobacia, humor, manipulação de objetos e mastro chinês de 10 metros. Espetáculo vai estar no Sesc Consolação nos dias 4/6 às 18 horas, 5/6 às 19 horas, 6/6 às 19 horas e 7/6 às 18 horas.

 

Barlovento / Foto Divulgação

 

 

Destaques Nacionais

“Noites de Parangolé é um dos três representantes do Rio de Janeiro e tem a experimentação como base, destaca a assessoria de comunicação do Sesc. “Mensalmente, artistas diferentes se reúnem para criar um grande cabaré, com o objetivo de vivenciar a troca de experiências de forma descontraída. Sendo assim, Noites de Parangolé fomenta o encontro de ideias, numa mistura de circo, humor, teatro popular, projeções e música ao vivo, executada pela banda Charanga Mutante.”  Espetáculo vai estar no Sesc Pompeia nos dias 4/6 às 18 horas, 5/6 às 21 horas, 6/6 às 21 horas e 7/6 às 18 horas.

 

Noites de Parangolé / Foto Divulgação

“De Pernambuco, Haru – A Primavera do Aprendiz, com o mágico Rapha Santacruz, mistura ilusionismo e teatro.” Espetáculo vai estar no Sesc Bom Retiro, nos dias 6/6 e 7/6 às 12 horas.

 

Haru - A Primavera do Aprendiz/ Foto Divulgação

“Entre as estreias nacionais está De Partida, da Cia. Suno (Campinas/SP), na qual os palhaços Sanduba e Fiorella desbravam o mundo como dois ciganos.” Espetáculo vai estar no Sesc Santana nos dias 6/6 e 7/6 às 12 horas.

De Partida/ Foto Divulgação

 

“E Vizinhos (SP) é uma das produções mais maduras da nova safra. Ele foi desenvolvido diretamente para a caixa cênica, ou seja, foi pensado para encenação em teatros. Na trama, dois colegas de quarto discutem a rotina por meio de técnicas circenses.” Espetáculo está no vídeo da capa e no abre dessa edição.

 

“Barlovento” singra por mares nunca antes navegados 

 

 

Gestos do circo constroem dramaturgia em “Barlovento”

Mônica Rodrigues da Costa, especial para Panis & Circus

Foi apresentado em São Paulo o espetáculo argentino “Barlovento” (2013), exemplo inquieto de como deve ser a boa arte veiculada pelo circo. A curta temporada, de 4 a 6/6/2015, ocorreu no festival internacional de circo, do Sesc São Paulo.

A companhia Hazmereir (fundada em 2012), de Mar Del Plata, acostumada a organizar eventos de circo e a participar deles, em várias cidades do mundo, tem atores jovens e no domínio da expressão dramatúrgica. Vem de longe, mas traz repertório que todo brasileiro que já viu circo novo entende de imediato.

A peça “Barlovento” proporciona 70 minutos de beleza plástica, gargalhadas e coreografias com apoio em velas de barco voando no palco, passos, pulos, saltos, giros e expressões faciais dignos de nota. Foi aplaudida pelo público da nossa cidade.

 

 

O enredo mostra o comandante árabe e a tripulação de estrangeiros que convive no navio Barlovento. Para onde vão? Ninguém pergunta ou responde. O ator Federico Galván tem uma fala que compara loucura e sanidade a tempestade e calmaria. O périplo tem início.

A história retoma o tema ancestral da navegação, como em “Simbad – O Navegante” (Circo Mínimo, 2015). Em tom de comédia, parodia a simbologia marítima, desde o mito do dilúvio, viagens oceânicas, como a do poeta Camões, até a bufonaria do dramaturgo e poeta russo Maiakóvski, tendo recirculado na cena paulista com “O Mistério Bufo” (2012) – peça de circo teatro dirigida em por Fernando Neves, com a cia. Academia de Palhaços.

Na trama de Maiakóvski, de 1918, estão na barca reunidos e procurando a Terra Prometida um chinês, um alemão, um africano, um judeu, um norte-americano e um russo.

 

Público aplaude Barlavento no Sesc Consolação / Foto Asa Campos

 

No espetáculo argentino, dirigido por Alan Darling, são um árabe, um italiano, uma francesa e um russo. Eles nada procuram, simplesmente navegam e sobrevivem às intempéries graças às soluções farsescas que dão para os acontecimentos.

O italiano falante (Martín Umerez) está na cabine do navio e implora algo ao árabe (Federico Galván), como para ficar. Depois intercede pela mulher borracha, a francesa (Ana Clara Manera), que também precisa embarcar e partir com eles nessa nau dos insensatos.

 

Federico, Martín e Ana Clara como boneca de borracha / Foto Asa Campos

 

Os personagens não falam a mesma língua. Interagem usando pantomima, acrobacias, humor, malabarismos, manipulação de objetos, mastro chinês de 10 metros de altura e trapézios e outros aparelhos de circo não convencionais.

Vivem a história. A exibição típica do picadeiro vai para o plano de fundo e o teatro e o circo criam soluções técnicas e estéticas para o aproveitamento das duas linguagens na trama.

Impulsionada pelo vento, a embarcação Barlovento é palco para a apresentação de números circenses dentro de um teatro com dramaturgia linear.

 

O italiano enroscado na rede de pescar ao lado do árabe / Foto Asa Campos

 

Mesmo que o público não entenda as palavras inventadas, a narrativa dá-se pelos movimentos, gestos e expressões. Portanto mostra outras qualidades, não verbais. Explora a plástica do picadeiro para retratar, ou emoldurar, a metáfora da tempestade, que transita há milênios na arte, só que agora vista em um barco de palhaços que a transformam em farsa.

Alguém com um pano sujo nas mãos é signo de que o personagem malabarista que o faz girar sem errar, em efeito de ilusionismo, é o faxineiro do navio.

O árabe o deixou embarcar em troca de tarefas a bordo.

E que tarefas, ele sobre e desce pelo mastro para avisar sobre as condições atmosféricas e fica horas vigiando no cesto lá em cima.

Durante o dia, há o corre-corre ritmado da tripulação, que se embaralha em panos, cordas e velas. Todos obedecem ao árabe, que a certa altura pergunta: “Há quanto tempo estamos navegando?”.

Som de mar e uma sonoplastia que corresponde aos fatos. O italiano fala que o silêncio é música harmoniosa. “Dois dias, uma eternidade” – ele responde.

O russo tem olhos expressionistas arregalados e não para quieto. A francesa exibe acrobacias e números de contorcionismo.

 

O russo (Juan Ignacio Rey) é içado para dentro do navio / Foto Asa Campos

 

Saltos líricos e cômicos nos mastros são as tarefas cotidianas, a todo momento, com exercícios aéreos a diferentes alturas, para examinar a aproximação da tempestade, e giram em rodas de dança aérea e no mastro chinês.

A vida é um risco. A francesinha acomoda-se no fio vertical noites e dias, sob o marulho e as luzes sombrias do entardecer ao mar.

 

Martín e Ana Clara pendurados no mastro do navio/ Foto Asa Campos

 

Os três acham o quarto personagem no mar, quando avistam algo, uma rede de pesca. Depois de destramá-lo da rede, o russo aparece vivíssimo e bufão, de vez em quando explodindo sons onomatopaicos das cenas, com gags como Grotowski e Stanislavski.

Navegar é preciso, viver não é preciso, como nos saltos mortais em alto-mar. São quase-náufragos divertidíssimos, que refazem o dia a dia nesse espaço provisório da viagem.

O árabe dá as velas para o francês o italiano e o russo e eles vão trabalhar na balbúrdia, içá-las e se atirar em cambalhotas.

Instalação móvel de formas de panos e cordas. O russo larga-se no ar e faz piadas típicas de palhaço de picadeiro, que suspendem o enredo.

 

Cena de carinho do italiano (Martín) com a francesa (Ana Clara) em "Barlovento" / Foto Asa Campos

 

A francesinha arranja uma história de amor, enfrenta a morte, que faz uma visita, e se casa em pleno ar, nos giros da lira horizontal, em número conjunto com o italiano.

Nas tempestades, os quatro passam frio. Entram na cabine apertada e se provocam entre um oceano de risadas do público e a caixa mágica que é a cabine – o aparelho de ilusionismo.

O marinheiro russo, bêbado, dança sacudindo as velas do barco e realizando performances de mágica com a garrafa de Vodka na cabine. Vomita e faz xixi na água do balde

 

O russo (Nacho Rey) com a Vodka na mão / Foto Asa Campos

 

O italiano sonhou que era uma sardinha sobre todos os mares e descreve seu trajeto até acabar frita na praia de Guarujá.

Estrangeiros, dormem empoleirados no mastro – o que requer, domínio físico exato. Os artistas se destacam com graça e habilidade.

A cada número de circo a história fica mais fluída. As cenas terminam em fade out – técnica de cinema no teatro bem aproveitada.

Acontecem muito mais coisas. Abdul reza contra a tempestade. A francesa também. Para Alá e madre Teresa de Calcutá. Provocam em política e em religião: “A religião é o ópio do povo”, diz o italiano. Ele vira cristo na cruz. Tempestade piora.

 

Pirâmide humana no convés do navio / Foto Asa Campos

 

O grupo entrecorta com o circo. Faz números como pirâmide humana e de equilíbrio com os aparelhos feitos de barco.

Como nada dura para sempre, a trama se desfaz, as velas morrem. Há uma cena com música árabe em que o elenco realiza aquela coreografia das múltiplas mãos, um autêntico “charivari” do circo novo (tipo de despedida em que há espaço para os cumprimentos entre atores e público).

Como não há referências do real, a peça nos conduz a uma viagem onírica e misteriosa.

A trilha sonora foi concebida para o espetáculo. Ora lírica, ora no estilo circense, mas sem os clichês demasiadamente explorados. A música –toda instrumental– varia para cada cena e acompanha seus ânimos. Valoriza a precisão e cronometra a coreografia, provocando novas percepções sobre o corpo. Em muitas passagens, parece sonoplastia de cinema.

 

Ana Clara como pássaro pendurado no mastro / Foto Asa Campos

 

A iluminação de “Barlovento”, precisa, gira os focos de luz ao sabor dos ventos e acompanha, como os olhos dos espectadores, a sequência das peripécias.

Artes plásticas animadas pela ventania e o corpo ágil do circo vêm para o primeiro plano nas cenas de tempestades, adicionam humor à tragédia daquele destino de navegar não se sabe para onde na embarcação medieval.

 

O diretor e a mímica

Não é para menos a força da pantomima no espetáculo “Barlovento”. O diretor Alan Darling, também ator e escritor premiado de peças teatrais, é professor de mímica e artes dramáticas para adultos e crianças e é mestre em dramaturgia (IUNA). Em 2008 dirigiu a Compañía Colectivo Circo em Villa e “Epitafio para un Zapato enterrado Vivo” no Teatro La fabrica de Tandil e no Circo del Aire de Buenos Aires.

 

Ficha técnica

Direção Alan Darling / Elenco Federico Galván, Martín Umerez, Ana Clara Manera, Juan Ignacio Rey / Música original Juan Sardi / Coreografia Paola Belfiore / Assistente de Palco Lucas Manso / Design de Luz Bruno Festa / Figurino Leila Lopez e Alejandra Ostuni/ Cenografia Barlovento e Herretec / Design Ferrari Chiapa, Marcial Fernández / Vídeo AVER Contenido Audiovisuales / Produção no Brasil Difusa Fronteira – Felipe França Gonzalez.

 

Links – Cia. Hazmereir

Clique aqui para acessar o site do espetáculo e da companhia.

Clique aqui e acesse o site da peça.

Acesse aqui e veja cenas de “Barlovento”

 

Clique aqui para ler a reportagem sobre o espetáculo “Academia de Palhaços se Apresenta”.

Clique aqui para ler a reportagem sobre a peça do “poeta Maiakovski com Academia de Palhaços”.

Deixe um comentário

*